27 de junho de 2015

Solenidade de São Pedro e de São Paulo



 “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja...” Jesus referia-se à fé que Pedro n’Ele anunciara. Esta fé institui o fundamento sólido da Igreja, torna-a firme e capaz de vencer as forças adversas. Todos aqueles que, como Pedro, adotam a fé em Jesus Cristo Filho do Deus vivo, passam a fazer parte deste edifício extraordinariamente sólido que nunca cairá. Nada nem ninguém poderá impedir a Igreja de realizar a sua missão de salvação.
Pedro que acaba de exteriorizar a sua fé em Cristo caracteriza os apóstolos e todos os cristãos que praticam a mesma fé.
Este Apóstolo aparece sempre em primeiro lugar e é aquele que deve confirmar a fé dos outros. Ele é o incumbido de manter a unidade de todos os cristãos nessa mesma fé. Por isso, a Igreja confia no bispo de Roma, sucessor de Pedro, como responsável de preservar a fé em Cristo recomendada por esse apóstolo, a fim de executar tal missão no decurso de todos os tempos.

Temos a obrigação de rejeitar tudo aquilo que não é evangélico no nosso modo de perceber o ministério do Papa e a sua autoridade na Igreja. Devemos ajustar-nos, sobretudo, àquilo que Jesus repetiu tantas vezes e com tanta evidência: «Aquele que for o maior, proceda como se fosse o menor, e o que governar proceda como o que serve os outros» (Lucas 22, 26).
É esta também a visão de Paulo. Poucos meses antes de morrer, fechado numa prisão de Roma, escreve a Timóteo, seu companheiro de missão, dando-se conta que o seu fim está próximo, faz um balanço de toda a sua vida. Está convencido que, no anúncio do Evangelho, realizou a sua imposição principal como os atletas que participam nas competições desportivas no estádio: consumiu todas as suas forças pela causa justa do anúncio do Evangelho, quando afirma: «Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé».

Está convicto de que Deus lhe dará também a ele, no dia em que for recebido na morada eterna, a coroa da vitória que espera todos aqueles «que aguardaram com amor a sua vinda», isto é, a todos aqueles que, como ele, tenham lutado pela justiça.
Pedro e Paulo apontaram-nos com que abnegação à Igreja, com que qualidade de amor, com que desprendimento e com que coragem deve ser cumprido o ministério do anúncio do Evangelho. São o modelo de lealdade à vocação cristã quando somos confrontados com situações nada fáceis: perante a amargura, o isolamento, o desentendimento, ou a marginalização a que nos possam algemar.

Como nos refere a primeira leitura, quem sofre por causa de Cristo deve demonstrar, como Pedro e Paulo, o seu amor franco e dedicado à Igreja, mesmo quando todos lhe são desfavoráveis. Do seu lado terão sempre o «anjo do Senhor» para ampará-los e libertar, como fez com Pedro no momento em que ele mais precisava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário