4 de novembro de 2016

A importância da Catequese hoje


São Paulo disse aos romanos que “a fé entra pelos ouvidos”. É essencial que se pregue o Evangelho, especialmente para as crianças e jovens, e também para adultos não evangelizados.
“Como invocarão Aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue?” (Rom 10,15), pergunta São Paulo.
“E como pregarão, se não forem enviados, como está escrito: Quão formosos são os pés daqueles que anunciam as boas novas (Is 52,7)?… a fé provém da pregação e a pregação se exerce em razão da palavra de Cristo”. (Rom 10,15-17).
A Igreja, desde os seus primórdios, propagou o Evangelho, sobretudo pela Catequese dos grandes bispos e padres. O Papa São João Paulo II, disse na “Catechesi Tradendae” (n.18) que:
“A catequese é uma educação da fé das crianças, dos jovens e dos adultos, a qual compreende especialmente um ensino da doutrina cristã, dado em geral de maneira orgânica e sistemática, com o fim de os iniciar na plenitude da vida cristã.”
O Catecismo diz que: “Os períodos de renovação da Igreja são também tempos fortes da catequese. Eis por que, na grande época dos Padres da Igreja, vemos Santos Bispos dedicarem uma parte importante de seu ministério à catequese. É a época de São Cirilo de Jerusalém e de São João Crisóstomo, de Santo Ambrósio e de Santo Agostinho, e de muitos outros Padres cujas obras catequéticas permanecem como modelos” (n.8).
Hoje nós encontramos muitos jovens que vieram de famílias católicas, mas que quase nada sabem sobre a doutrina católica, os sacramentos, os mandamentos, a oração, etc. E vivem como se não fossem católicos. São enganados pelas seitas e pelos professores ateus e hostis a Igreja. Por quê? Certamente porque não receberam uma boa catequese, nem em casa – pois muitos pais não os evangelizam mais – e nem nas catequeses da Igreja, porque em muitos lugares falta uma forte catequese. Esta situação está extremamente agravada pelo número de crianças que são filhos de pais separados ou de famílias que não frequentam a Igreja. Isso aumenta em muito a necessidade urgente de uma Catequese esmerada, caprichada, dedicada. Se a família já não catequiza mais, como era antigamente, então, a Igreja precisa redobrar o esforça de catequizar.
Para que isso aconteça, é preciso bons catequistas, que amem a Jesus Cristo e que por amor a Ele, sejam seus missionários catequistas, dedicados, cheios de zelo apostólico, dispostos a todo tipo de sacrifícios.
A alegria do catequista deve ser a mesma de Jesus ao ver uma ovelha que se afasta do Seu rebanho, como aquela que Ele vai buscar, mesmo deixando as 99 seguras no aprisco. Haverá mais alegria no céu por um pecador que faz penitência, Ele disse. Esta deve ser a alegria e a motivação do catequista: “salvar almas para Deus”. Nada mais.
Pela boca de Jeremias, Deus disse algo muito sério: “Eis o que diz o Senhor: “Maldito aquele que faz com negligência a obra do Senhor!” (Jeremias 48, 10). Então, é melhor não ser catequista do que ser um mal catequista. É melhor não se dispor a trabalhar na catequese se não estiver disposto a trabalhar com o devido zelo. Não há missão mais nobre a se realizar, mas também nossa culpa pode ser grande se formos negligentes com esta missão sagrada, da qual depende a vida espiritual de muitas crianças e jovens.
Para isso o Catequista e os responsáveis pela Catequese devem ser zelosos. Pela boca do profeta Oséias Deus disse: “Meu povo perece por falta de doutrina” (Os 4,6). Quantos católicos são levados para as seitas, a beber águas contaminadas, por falta de uma Sã doutrina! (1 Tm 1,10; 4,6; 2 Tm 4,3; Tt 2,1).
Mais do que nunca, neste tempo difícil em que a fé católica é desafiada em toda parte, precisamos de catequistas preparados, que conheçam muito bem a doutrina católica, ensinada pela Igreja no Catecismo, e que sejam fiéis ao Sagrado Magistério da Igreja, que recebeu de Cristo o dom da infalibilidade ao ensinar.
“Para manter a Igreja na pureza da fé transmitida pelos Apóstolos, Cristo quis conferir à sua Igreja uma participação em sua própria infalibilidade, ele que é a Verdade (CIC ,§ 889).
O catequista fiel é aquele que ensina o que a Igreja ensina, e não meramente o que ele quer. Não aprova o que a Igreja não aprova; e não condena o que a Igreja não condena. João Paulo II disse:
“Todos os catequistas deveriam poder aplicar a si próprios a misteriosa palavra de Jesus: «A minha doutrina não é minha mas d’Aquele que me enviou» (João 7,16). É isso que faz São Paulo, ao tratar de um assunto de grande importância: «Eu aprendi do Senhor isto, que por minha vez vos transmiti» (1 Cor. 11,23). Que frequente e assíduo contato com a Palavra de Deus transmitida pelo Magistério da Igreja, que familiaridade profunda com Cristo e com o Pai, que espírito de oração e que desprendimento de si mesmo deve ter um catequista, para poder dizer: «A minha doutrina não é minha»! (n.6)aeucaristiacultor
Aqueles que na Igreja são responsáveis pela formação dos catequistas, nas paróquias e nas dioceses, precisam oferecer-lhes uma capacitação esmerada, aproveitando ao máximo o tempo. Que sejam bem usados os finais de semana onde se possam aprofundar com eles os temas básicos: O Credo, os Sacramentos, a Moral católica nos Dez Mandamentos e uma profunda espiritualidade numa vida de oração e meditação, que dê aos catequistas uma intimidade com o Senhor.
Os leigos catequistas têm pouco tempo para a sua formação; então, é imperativo aproveitar bem os Encontros de Catequistas para dar-lhes o melhor possível de capacitação na doutrina da fé, deixando de lado tudo o que for supérfluo e desnecessário. Esses Encontros devem ser alegres, mas extremamente densos de formação.
Jesus disse que aquele que guardar os seus mandamentos e os ensinar “será declarado grande no Reino dos Céus”. (Mt 5,19) . Esta palavra é, sem dúvida, para cada bom catequista.
Prof. Felipe Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário